Compartilhando O Livro de Urântia

Versão para impressãoVersão para impressão
Geri Johnson

Por Geri Johnson, curador associado, Havaí, Estados Unidos

Como estudantes de O Livro de Urântia, sabemos que é nosso grande privilégio compartilhar a verdade, promover a compreensão de Deus a este mundo confuso e viver a mensagem do amor de Deus por todos os seus filhos. Não é uma questão de divulgarmos a quinta revelação de uma época. É apenas uma questão de como o fazemos.

Coletivamente, mantemos um tesouro de lições valiosas sobre como compartilhar O Livro de Urântia, que iremos oferecer como uma nova série no boletim informativo. Muitos de nós aprendemos a falar com outras pessoas sobre essa revelação, primeiro aprendendo o que não fazer. A boa notícia é que nos beneficiamos com a experiência — a nossa e a dos outros. Nossas piores experiências podem ter sido nosso melhor professor. Hoje eu gostaria de contar a vocês minhas piores e melhores experiências ao compartilhar O Livro de Urântia.

A Pior — Minha Irmã

Antes de ler os próximos parágrafos, deixe-me dizer em minha defesa que eu estava com cerca de 20 anos, era bem intencionado, totalmente inspirado pelos ensinamentos de O Livro de Urântia e totalmente inapto.

Ao tentar transmitir à minha irmã o que descobri neste livro notável, cometi vários erros graves, como oferecer muito cedo e não ser perceptivo para as reações e necessidades do ouvinte. Tive aquele “zelo cruzado” para compartilhar o livro. Tendo recentemente aceitado os ensinamentos de O Livro de Urântia, não conseguia parar de falar sobre isso e, infelizmente, fiz isso de maneira autoritária.

Em um jorro de palavras (histórias, conceitos, idéias), minha irmã ouviu sobre nosso planeta ser um minúsculo mundo em um vasto cosmos organizado, sobre todos os ajudantes espirituais, sobre para onde vamos quando morremos e nossa jornada para o paraíso. Continuei com a história de Urântia, particularmente os eventos que cercaram as duas primeiras revelações de uma época. Não percebi por completo que sua educação em ouvir não significava interesse real. Quando falei de Adão e Eva, seu ceticismo inicialmente me escapou, embora depois tenha ficado óbvio que ela não estava acreditando em mim. Quando ela começou a ter aquele brilho opressor sobre os olhos, eu parei? Não! Mudei de assunto e comecei a contar a ela sobre a vida de Jesus e que ele era realmente nosso Filho Criador.

A essa altura, ela provavelmente estava pensando em duas coisas: "Quando ela vai parar de falar?" e "Ela está fora de si!" Não ajudou o fato de eu constantemente citar “O Livro de Urântia diz. . . ” Em meu entusiasmo cego, não conseguia imaginar ninguém, especialmente alguém tão próximo de mim como minha irmã, que não gostasse deste livro. Para o crédito da minha irmã, ela continuou a me amar, embora nunca mais tenha falado comigo sobre Deus ou O Livro de Urântia.

O Melhor — Um Amigo

Avance uns bons 35 anos.

Uma amiga e eu gostávamos de caminhar nas manhãs de domingo ao longo de uma trilha costeira e depois nos recompensávamos com café e doces. Essa amiga tinha formação cristã, embora continuasse a explorar outras religiões e conceitos da nova era. Ela estava aberta e procurando. À medida que ela expressava seus pensamentos, eu procurava e reforçava a verdade contida, expandia seu pensamento ou fazia uma ponte para uma ideia relacionada. A essa altura do meu ministério, eu havia assimilado a admoestação de Jesus para não tirar algo de uma pessoa, apenas para aumentar seu pensamento.

Desse modo, posso dizer algo como "Eu também compartilho essa crença e aqui estão algumas coisas sobre as quais penso". Como alternativa, posso oferecer uma pergunta aberta: “Você já pensou sobre. . . ? ” ou “Você acha que isso é possível. . . ? ”

Durante uma de nossas caminhadas, minha amiga começou a falar sobre Jesus e eu perguntei: "O que você acha que ele fez durante os primeiros anos de sua vida?" e mais tarde "Você acha que Jesus sempre soube que era o Filho de Deus, ou ele teve que crescer nesse conhecimento?"

Certa vez, conversamos sobre a continuidade da vida, enquanto ela avaliava os méritos da reencarnação versus o céu e o inferno cristãos. E então ela me perguntou o que eu achava. Dada uma pergunta direta, compartilhei minha crença. Tentando manter as coisas simples, expliquei que depois de deixarmos este mundo, despertamos em uma nova forma, levando conosco o que aprendemos sobre a verdade, a beleza e a bondade que reside em nossa alma e personalidade. Este é o nosso novo ponto de partida. Unidos com nosso espírito residente, progredimos, esfera por esfera, até o Paraíso. Nosso objetivo é conhecer a Deus e ser como ele.

"Como você teve essa ideia?" ela perguntou. E eu respondi: “Eu leio muito”.

Na semana seguinte, ela começou a conversa com "Qual é o nome do livro ou dos livros que você lê?" Passamos as duas horas seguintes conversando sobre O Livro de Urântia. No dia seguinte, entreguei a ela um livro e uma semana depois, com uma terceira amiga, iniciamos um grupo de estudos que durou cinco anos e só terminou quando nos mudamos para cidades diferentes.

Mais um — a Terceira Amiga

Tendo me mudado recentemente para uma nova cidade, estava aberto a fazer novas amizades. Aparentemente tendo muito em comum, uma colega e eu fizemos planos sociais para o jantar. Embora eu não me lembre da conversa original ou de como ela chegou a esse ponto, perguntei: "O que você acha que acontece depois que morremos?" Minha colega começou a explicar os mundos das mansões para mim. Ela não usou esses termos ao falar sobre a progressão de nossa alma e personalidade, nossas experiências e crescimento no universo à medida que aprendemos a nos tornar um com Deus e, então, nossa vida eterna de serviço. Eu podia sentir o sorriso no meu rosto ficando cada vez maior. Quando ela terminou, disse-lhe que acreditava em tudo o que ela acabara de dizer e acrescentei que havia lido O Livro de Urântia. Só fui tão longe em minha declaração quando ela sorriu e disse: "Eu também". Essa é a terceira amiga mencionada acima. Enquanto nosso grupo de estudo via outros membros irem e virem, nós três permanecemos como um corpo consistente. Claro, agora temos um vínculo eterno, apesar de agora morarmos em locais diferentes.


Junte-se a nós

Nós o convidamos a enviar sua história favorita em compartilhar O Livro de Urântia. Você pode incluir o seu melhor, o pior, um ou ambos. Pode ser um parágrafo ou vários. Sua contribuição pode ajudar outras pessoas, à medida que crescemos continuamente em nossos esforços para disseminar a quinta revelação de uma época para a humanidade. Você pode enviar suas histórias para Tamara Strumfeld ([email protected]) ou Geri Johnson ([email protected]).

Foundation Info

Versão para impressãoVersão para impressão

Urantia Foundation, 533 W. Diversey Parkway, Chicago, IL 60614, USA
Tel: +1-773-525-3319; Fax: +1-773-525-7739
© Urantia Foundation. All rights reserved