Saber que Deus é meu Pai

Versão para impressãoVersão para impressão

Andrew Story Por Andrew Story, Dayton, Ohio, EUA

O valor, significado e beleza que encontro nO Livro de Urântia é diretamente o resultado de minha experiência de conhecer Deus e saber que ele é o meu Pai.

Na minha vida, o momento em que encontrei O Livro de Urântia foi um tempo de muita mudança pessoal. Eu tinha crescido numa família cristã e meu pai era pastor numa igreja cristã. Lembro-me de minha primeira comunhão e de ter muitas perguntas sobre a minha relação com Deus e o significado da vida de Jesus, uma vez que se relacionava com o nosso crescimento espiritual pessoal e nossa capacidade de atingir a vida eterna.

Perguntei ao meu pai por que para alguns era necessário aceitarem Jesus como seu salvador para terem vida eterna. Eu não conseguia entender como alguém não iria para o céu se nunca tivessem ouvido falar dele. A resposta que me foi dada apenas explicava que esse era o plano de Deus, e que, para que a relação do homem com Deus fosse restaurada, Jesus tivera que morrer na cruz. Esta resposta me levara a me distanciar de uma vida espiritual. Eu acreditava que seria suficiente uma pessoa viver uma vida boa para ter uma relação com Deus.

Mais tarde, me interessei por ler sobre outras religiões e livros da nova era. Quando li O Reino de Deus está em vós, de Leon Tolstoi, tive um rejuvenescimento de minha busca espiritual. Tolstoi escreveu sobre se olhar especificamente para os ensinamentos de Jesus e a maneira como ele viveu sua vida como sendo a melhor abordagem para entender sua mensagem. Ele sentia que a mensagem de Jesus é que Deus está dentro de cada um de nós, uma parte de cada um de nós, e que quando experienciarmos esta verdade, começaremos a ver a verdade da Regra de Ouro.

Alguns meses depois, disse a um amigo que eu queria verdadeiramente conhecer Deus. Abandonei meus medos relacionados com minhas experiências religiosas anteriores, e me abri, permitindo que Deus entrasse. Meu amigo então me apresentou O Livro de Urântia. Fui lendo sozinho e li na contracapa sobre grupos de estudo. Eu queria encontrar outros leitores e partilhar com eles o que estava vivenciando. Perguntei ao meu amigo se ele tinha conhecimento de algum grupo de estudo em nossa região, e ele sugeriu que começássemos um.

Lembro-me de ler o Documento 1, “O Pai Universal”, e ter reverberado tão claramente com as palavras que descreviam o propósito de Deus, sua bondade e seu plano para cada pessoa alcançar a perfeição.

O parágrafo seguinte no Documento 1 tem um significado profundo para mim:

Nos mundos em que um Filho do Paraíso viveu uma vida de auto-outorga ou de doação de si próprio, Deus geralmente é conhecido por algum nome que indica um relacionamento pessoal, de alguma afeição terna ou devoção paternal. Na sede da vossa constelação, todos se referem a Deus como o Pai Universal; e, nos diversos planetas do vosso sistema local de mundos habitados, Ele é alternadamente conhecido como Pai dos Pais, Pai do Paraíso, Pai de Havona e Pai Espírito. Aqueles que conhecem Deus, por meio das revelações feitas pelos Filhos do Paraíso, durante as outorgas de si próprios aos mundos, sempre cedem ao apelo sentimental da relação tocante que advém da associação entre a Criatura e o Criador, e se referem a Deus como o “Nosso Pai”. – O Livro de Urântia, (23.2) – 1:1.5.

Há muito significado nO Livro de Urântia, mas a verdade da Paternidade de Deus e fraternidade do homem é a verdade mais próxima à minha experiência de conhecer Deus.

Foundation Info

Versão para impressãoVersão para impressão

Urantia Foundation, 533 W. Diversey Parkway, Chicago, IL 60614, USA
Tel: +1-773-525-3319; Fax: +1-773-525-7739
© Urantia Foundation. All rights reserved